(11) 4249-2545 (11) 4249-0224 (11) 94797-6909 (11) 98629-2354 Chamar pelo WhatsApp

Como Fazer Internação Compulsória

Como Fazer Internação Compulsória

O vício em drogas e em álcool é algo terrível na vida de alguém que acaba se tornando dependente de um destes elementos, ou até ambos. Infelizmente, o sofrimento não afeta só o viciado, mas também afeta a sua família e as pessoas próximas a ele.

Em alguns casos, o indivíduo com o vício se conscientiza de sua situação e busca a ajuda de uma clínica de recuperação. Em outros casos, o viciado não quer se internar, e seu estado piora, tornando-se até violento. A família ou até a Justiça precisam intervir na internação do paciente, mesmo que a contragosto dele.

Neste artigo, será explicado como fazer internação compulsória, em casos em que seja estritamente necessário.

Diferenças com a internação involuntária

Antes de se aprofundar no assunto, é preciso citar primeiro a internação involuntária, por causa da similaridade entre os dois tipos de internação.

A internação involuntária ocorre sem o consentimento do viciado, mas a pedido e com autorização da família, que deve fazer a solicitação diretamente em algum centro de recuperação público ou particular.

Um médico será encaminhado para examinar o dependente e seu estado de saúde. Se o médico constatar a necessidade de internação involuntária, a clínica tem um prazo de 72 horas para informar o Ministério Público Estadual sobre o procedimento e o motivo do pedido.

Explicando a internação compulsória propriamente dita

A internação compulsória é bem parecida com a internação involuntária, só que a solicitação é feita pela Justiça, independente do consentimento da família.

Um juiz só autoriza este tipo de internação se, após análises de relatórios médicos sobre a saúde do dependente, constatar que há risco para ele, para sua família e para a sociedade. A Justiça então indicará um centro de recuperação, conforme a competência do estabelecimento e o bem-estar do paciente.

Então, como fazer uma internação compulsória?

Como explicado acima, este tipo de internação só será feito se a Justiça determinar a necessidade. Na maioria dos casos, internar involuntariamente ou compulsoriamente o dependente não é necessário: conversas e tratamentos costumam ser o suficiente para alguém que quer se libertar das drogas ou o do álcool.

A internação compulsória seria como um último recurso, quando a pessoa não quer se tratar e está causando problemas a todos em volta, mesmo que ela já tenha sido internada de forma involuntária. Mas que este recurso nunca precise ser usado no tratamento de alguém que precise.

Planos de Saúde para Tratamento de Dependetes Químicos